Tag : origem

8 posts

Viva 19 de abril- Dia do indio

 dia_indioindio

História do Dia do Índio

Comemoramos todos os anos, no dia 19 de Abril, o Dia do Índio. Esta data comemorativa foi criada em 1943 pelo presidente Getúlio Vargas, através do decreto lei número 5.540. Mas porque foi escolhido o 19 de abril?

Origem da data 

Para entendermos a data, devemos voltar para 1940. Neste ano, foi realizado no México, o Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Além de contar com a participação de diversas autoridades governamentais dos países da América, vários líderes indígenas deste contimente foram convidados para participarem das reuniões e decisões. Porém, os índios não compareceram nos primeiros dias do evento, pois estavam preocupados e temerosos. Este comportamento era compreensível, pois os índios há séculos estavam sendo perseguidos, agredidos e dizimados pelos “homens brancos”.

No entanto, após algumas reuniões e reflexões, diversos líderes indígenas resolveram participar, após entenderem a importância daquele momento histórico. Esta participação ocorreu no dia 19 de abril, que depois foi escolhido, no continente americano, como o Dia do Índio.

Comemorações e importância da data 

Neste dia do ano ocorrem vários eventos dedicados à valorização da cultura indígena. Nas escolas, os alunos costumam fazer pesquisas sobre a cultura indígena, os museus fazem exposições e os minicípios organizam festas comemorativas. Deve ser também um dia de reflexão sobre a importância da preservação dos povos indígenas, da manutenção de suas terras e respeito às suas manifestações culturais.

Devemos lembrar também, que os índios já habitavam nosso país quando os portugueses aqui chegaram em 1500. Desde esta data, o que vimos foi o desrespeito e a diminuição das populações indígenas. Este processo ainda ocorre, pois com a mineração e a exploração dos recursos naturais, muitos povos indígenas estão perdendo suas terras.



Qual é a origem do cifrão?

cifrao

Pode parecer mentira, mas a tese mais bem-aceita sobre a origem do cifrão tem a ver com o semideus grego Hércules. Chegamos nisso logo logo.

Normalmente as moedas têm uma representação gráfica que se compõe de seu símbolo – no caso do Real, um R, no caso do dólar, um US – e do cifrão ($). Este foi inventado pelo general Táriq-ibn-Ziyád, que comandou a bem sucedida invasão árabe da Península Ibérica, no século VIII. Essa invasão, iniciada quando um rei deposto pediu auxílio militar aos mouros, terminou no domínio árabe da região onde hoje estão Espanha e Portugal – apenas em 1492 a última cidade espanhola foi recuperada pelos europeus.

Mas voltemos ao general. Táriq teria partido da Arábia e atravessado o Egito, os desertos do Saara e da Líbia, a Tunísia, a Argélia e o Marrocos até cruzar o Estreito de Gibraltar e chegar à Espanha. O numismata Claudio Amato, ex-presidente da Sociedade Numismática Brasileira, conta que o general teria mandado cunhar moedas mostrando uma linha sinuosa, em “S”, representando o seu tortuoso caminho, em comemoração a sua vitória. E os traços verticais do cifrão?

Aí é que entra Hércules, o semideus responsável pelos 12 Trabalhos mais impressionantes do mundo antigo. Em um desses trabalhos, Hércules abriu caminho rachando ao meio uma montanha com apenas um golpe de maça – assim conta a mitologia. Deste episódio veio o apelido do Estreito de Gibraltar, que separa a África da Europa: Colunas de Hércules. Amato, então, liga o cifrão a tudo isso: “nas moedas, os dois traços representam as colunas atravessadas por Táriq na campanha para a conquista”.

O curioso é que, na maioria das fontes de computador, Hércules não tem nada a ver com o cifrão: perceba que o símbolo muitas vezes é grafado com um só traço.



PAGE TOP
Pular para a barra de ferramentas