faraó

O Egito antigo ocupava uma faixa de terra muito extensa banhada de norte a sul pelas águas do Rio Nilo. O Rio Nilo nasce no Lago Vitória e desagua no Mar Mediterrâneo.

O Faraó era considerado um Deus. A palavra faráo significava “casa grande”. Ele era considerado imortal, e como os egípcios  eram politeístas (religião de cultivo a muitos deuses) o faraó era considerado filho de Rá (o Deus do Sol, um Deus muito importante que também era chamado de Amon e Aton) e se houvesse falecimento do faraó ele deixará seu trono a um familiar próximo ou o seu filho mais velho.

O faraó tinha muitos colaboradores e havia os três mais importantes:

O Vizir: Responsável pela administração do império. Ele controlava a arrecadação de impostos, chefiava a policia, fiscalizava as construções e as obras públicas, além de presidir o mais alto tribunal de justiça e ser o comandante-em-chefe das tropas.

Os Sacerdote: estavam encarregados de administrar templos e serviços religiosos.

Os Escribas: se destacavam porque sabiam ler e escrever (o que era meio desnecessário naquele tempo para os egípcios) e desenvolvia uma técnica de escrita chamada hierática, demótica, hieróglifo, ideográfica e pictográfica. Ele que realiza o censo e registrava os impostos arrecadados, etc.

Os Egípcios acreditavam na vida além da morte, ou seja, que o corpo iria para a eternidade ao desencarnar mais a alma retornaria ao seu corpo e é por isso que eles mumificavam, para garantir que o corpo ficasse conservado para a nova vida. Eles colocavam os corpos nos templos.