independencia-do-brasil

Sete de setembro é o dia que comemoramos a Independência do Brasil, ou seja, a data em que o Brasil se tornou oficialmente separado politicamente de Portugal, mais precisamente no dia 7 de setembro de 1822.

As causas que implicaram na separação começaram a eclodir ainda no século XVIII, com diversas revoltas internas acontecendo por conta de impostos cobrados por Portugal além do fato de que no Norte, os EUA já se declaravam independentes.

Eu sou físico não historiador, mas o que julgo ser a parte mais emocionante de todo o processo de independência foi quando Portugal percebeu a iminência da independência brasileira e mandou uma carta exigindo a imediata ida de D.pedro 1º para a metrópole, isso se deu no dia 9 de Janeiro, eis então que surge a frase:

“Se é para o bem  de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico”

O dia é conhecido a partir de então como o “Dia Do Fico”.

O “dia do Fico”

Pressionado pelas Cortes de Lisboa para regressar à Portugal, dom Pedro recebeu, em janeiro de 1822, uma petição com 8 mil assinaturas solicitando a sua permanência. Sua decisão foi tomada com base numa frase célebre:

“Como é para o bem do povo e felicidade geral da nação, estou pronto, diga ao povo que fico”, que deu origem ao chamado “dia do Fico”. A decisão expressou publicamente a adesão do regente à causa brasileira.

A partir de então, sucederam-se os atritos políticos com as Cortes de Lisboa. Ministros portugueses pediram demissão. Formou-se um novo ministério, e José Bonifácio de Andrada e Silva foi nomeado ministro do Reino e Negócios Estrangeiros. Em maio de 1822, o príncipe regente aceitou o título de Defensor Perpétuo do Brasil, oferecido pelo Senado da Câmara do Rio de Janeiro. Em junho, decidiu convocar uma Assembléia Constituinte. Em agosto, resolveu considerar inimiga as tropas portuguesas que eventualmente desembarcassem no Brasil.

“Independência ou morte”

As Cortes de Lisboa elaboraram um decreto que anulava os poderes de Dom. Pedro. Este último acontecimento, teve como conseqüência a declaração formal de independência do Brasil, proclamada por dom Pedro em 7 de setembro de 1822, às margens do riacho Ipiranga, em São Paulo: “É tempo (…) independência ou morte (…) Estamos separados de Portugal”. Em dezembro de 1822, ele foi coroado imperador do Brasil, tornando-se Pedro 1º. Iniciavam-se o Império e o Primeiro reinado.